Projetos Tecnológicos

Em todo o mundo, as escolas vêm se modernizando, buscando acompanhar as mudanças que estão à sua volta. O uso da tecnologia não deve se restringir apenas ao espaço administrativo, mas também ajudar a área pedagógica. Pensando nisso, a Escola Alemã Corcovado se propôs a intensificar o uso dessas ferramentas e desenvolveu projetos tecnológicos que acrescentam nos estudos e no dia-a-dia dos alunos.
 
O “Projeto Notebooks” faz parte desse programa. Ele teve início no segundo semestre de 2014 em dois prédios da escola e, após a expansão Wi-Fi em 2015, cresceu para quatro ao todo; atualmente atende 17 turmas do Ensino Fundamental II e Ensino Médio. Segundo o Coordenador de Matemática e de Tecnologia Educacional da Escola Alemã Corcovado, Carlos Brener, o notebook é uma das ferramentas utilizadas para se chegar a um objetivo maior: trabalhar mídias na Escola.
 
Outro recurso que está sendo utilizado pela Escola são os iPads e as Apple TVs. Em 2014, foi realizado um projeto piloto com a turma 5R1 para desenvolver as competências midiáticas dos alunos, tornando as aulas mais interativas. Inicialmente, o projeto está sendo voltado para as disciplinas de Matemática e Alemão, mas será estendido para outras áreas em breve.
 
O método pedagógico com a utilização de Ipads ajuda a ampliar o processo de aprendizagem tradicional, principalmente no que diz respeito a organização, metodologia e didática. É possível destacar algumas vantagens dessa tecnologia, como o fácil manuseio, linguagem autoexplicativa, apresenta uma disponibilidade imediata, um alto grau de mobilidade e de aprendizagem individualizada com aplicativos adaptados, e também torna possível a visualização de livros didáticos com a ajuda de funções ampliadas. Em 2015, as Apple TVs foram instaladas em sete salas e complementam o sistema “Apple”, que contribui para o conhecimento escolar assim como os notebooks. 
 
“Hoje em dia, observamos que essa geração é 90% “mídia”, tais como os vídeos, as redes sociais, as plataformas de comunicação... Hoje nós temos plataformas adaptativas que conseguem mensurar de forma efetiva o que cada aluno domina de acordo com a competência de uma determinada área do conhecimento”, disse Carlos Brener.
 
Quando o estudante tem dificuldade, ou quando precisa buscar alguma informação, é comum buscarem vídeos na internet, os vídeos representam uma importante ferramenta que completa o processo de ensino aprendizagem.
 
O professor  complementou: “Nós, educadores, vivemos por muito tempo uma época em que queríamos enriquecer a aula com tecnologia. Por exemplo, quando eu tenho um projetor e ele vai mostrar aquilo que eu vim trazer, ele torna a aula enriquecida com tecnologia. O nosso objetivo não é mais enriquecer a aula com tecnologia, mas sim torná-la rica pela utilização dela”. 
 
As tecnologias permitiram que os professores ocupassem um papel de arquitetos e gerentes, ou seja, eles estruturam a aula e analisam relatórios de desenvolvimento dos alunos. A responsabilidade de aprender está cada vez mais no aprendiz. As plataformas permitem a personalização do ensino, tornando possível que o próprio aluno consiga analisar em qual estágio ele se encontra em relação às habilidades que se predispôs a desenvolver, ou que o professor ofertou para do desenvolvimento deste ou daquele conteúdo. 
 
Os projetos estão em fase de teste e o objetivo final é descobrir quais modelos são mais interessantes para determinadas áreas do conhecimento - a ideia é oferecer para os alunos multiplataformas e deixar os professores livres para testar os modelos e escolherem o que mais se adequa à sua necessidade.